ASTRA 2022 GANHA NOVO VISUAL

Astra 2022 ganha novo visual em primeira geração concebida com Stellantis

A Opel, marca do Grupo Stellantis, lançou o Astra 2022. Vindo a partir de agora na plataforma EMP2, a versão marca um grande afastamento do modelo com suas raízes, já que sua última geração havia sido concebida quando a Opel pertencia à General Motors – casamento desfeito no ano de 2017, com a marca indo para o guarda-chuva da PSA.

A plataforma EMP2 está presente também em outros modelos da Stellantis, como o Peugeot 308.

Por fora, o Opel Astra tem faróis de LED seguindo um acabamento em preto brilhante na dianteira. Vemos também faróis de neblina no para-choque. De lado, podemos ver que colunas A e B possuem cor preta, enquanto a coluna C segue o tom predominante do modelo.

Em termos de motores, o modelo contará com uma unidade de três cilindros a gasolina 1.2 litro turbo disponível com 109 cv e 129 cv. Além deste propulsor, o Opel Astra 2022 também conta com o motor de quatro cilindros turbo com 129 cv que possui câmbio manual de seis marchas, tendo como opcional uma caixa automática de oito velocidades.

Há ainda mais duas versões, ambas eletrificadas. A primeira híbrida combina motor a gasolina de quatro cilindros turbo 1.6 com motor elétrico, oferecendo 180 cv. A segunda híbrida fornece 225 cv. Ambos os modelos têm alcance elétrico de cerca de 50 km.

Por dentro, temos painel de instrumentos e tela de infoentretenimento, ambos com 10 polegadas. O volante possui três raios, e está ao lado de uma pequena alavanca de câmbio no túnel de transmissão. Como opcionais, temos head-up display e câmera 360°.

Nas dimensões, o Opel Astra tem 4.374 mm de comprimento (4 mm mais comprido do que o seu antecessor). Ele também é mais largo que o antigo Astra, com 1.860 mm (51 mm a mais) e tem 1.470 mm de altura (15 mm mais baixo). A distância entre eixos foi para 2.675 mm (13 mm a mais). A Opel não divulgou ainda os preços para o Astra 2022.

Fonte: uol.com.br

NOVO VW POLO GTI 2022

Novo VW Polo GTI 2022 tem primeira foto oficial divulgada

Em abril, a Volkswagen apresentou a última etapa evolutiva da sexta geração do Polo. Agora vem sua versão mais esportiva: o novo Polo GTI. O portador da lendária sigla lidera o segmento Polo em termos de desempenho, tecnologia e esportividade. O potente motor TSI e o chassi esportivo, feitos sob medida especificamente para o Polo GTI, transformam o carro compacto mais vendido em um carro esportivo dinâmico de quatro portas, que também permite uma direção semiautomática como opção pela primeira vez em um Polo GTI . Uma série de sistemas de assistência de última geração garantem ainda mais conforto e segurança a todos os passageiros.

No mundo automobilístico, há três letras que soam mágicas há quase cinco décadas: GTI. Desde o GTI original em 1976, a Volkswagen garantiu que esse código fosse sinônimo de prazer de dirigir excepcional no segmento de compactos. O Polo carrega a sigla GTI desde 1998 – o terceiro modelo a fazê-lo, depois do Golf e do Scirocco.

A última geração dá continuidade à ilustre tradição da GTI e estabelece novos padrões de referência para carros compactos.

A base técnica para isso é fornecida pelo Modular Transverse Toolkit (MQB) da Volkswagen. Em todas as linhas de modelo, MQB significa progresso tecnológico, alta rigidez da carroceria, um peso baixo exemplar e propriedades de colisão muito boas.

O IQ.DRIVE Travel Assist, usado pela primeira vez em um Polo GTI, permite uma direção semiautomática. O sistema pode assumir a direção, frenagem e aceleração do novo Polo GTI de 0 km / h até o limite de controle do Travel Assist (210 km / h). Para orientação longitudinal, o IQ.DRIVE Travel Assist utiliza sistemas familiares como o Adaptive Cruise Control (ACC).

A orientação latitudinal é suportada pelo Lane Assist, que vem como padrão. O motorista pode ativar o sistema através do botão Travel Assist no volante esportivo de couro multifuncional redesenhado. As mãos do motorista devem permanecer no volante durante a utilização deste sistema, o que significa que o motorista é sempre responsável pelo carro.

Muitos novos sistemas de infoentretenimento (a última geração do MIB3.1), que estão conectados a vários serviços online, garantem conectividade de última geração no novo Polo GTI. Uma Unidade de Conectividade Online (OCU) com eSIM integrado torna possível usar os serviços online de We Connect (preparado por um tempo limitado) e We Connect Plus (preparado para uso gratuito na Europa por um ou três anos). Recursos como controle de voz natural, acesso a serviços de streaming e personalização baseada em nuvem usando “Volkswagen ID” aprimoram o sistema MIB3.1 mais recente, dependendo da linha de equipamentos.

A integração de aplicativos como App-Connect Wireless para Apple CarPlay ™ e Android Auto ™ agora é sem fio. Como no Polo, os instrumentos e o sistema de infoentretenimento são dispostos em um eixo visual, garantindo que possam ser visualizados e operados facilmente em qualquer situação de direção.

O coração de um GTI é sempre seu motor. Como todos os seus antecessores, o novo Polo GTI também tem tração dianteira. O injetor de gasolina direto turboalimentado muda de marcha por meio de uma transmissão de dupla embreagem (DSG) de sete velocidades, que vem como padrão. Entre os destaques do turbo motor do novo Polo GTI, que é instalado transversalmente na frente do carro, estão características como um sistema de injeção dupla com injeção direta e coletor de admissão combinada, uma unidade de controle do motor com quatro processadores principais e um sistema eletrônico de elevação de válvula no lado da entrada. Apesar da alta potência, o motor é impressionantemente eficiente, com níveis moderados de consumo de combustível. Isso é auxiliado pelo baixo peso do novo Polo GTI quando vazio.

Como seria de esperar de um Volkswagen GTI genuíno, o novo Polo GTI também vem com um chassi esportivo, feito sob medida para o carro, como padrão. Ele abaixa o chassi em 15 milímetros e garante a síntese típica GTI de dinâmica de direção, neutralidade segura e alto grau de conforto de direção.

O novo Polo GTI agora vem como padrão com o novo IQ.Light – faróis de matriz LED e uma barra da grade do radiador iluminada como um aprimoramento distinto da luz diurna. Isso vê o novo Polo esportivo formar uma ponte estilística para o ID totalmente elétrico da Volkswagen e a nova geração de modelos de sucesso como Golf, Arteon e Tiguan, que também vêm com essa chamativa faixa de LED, típica dos novos Volkswagens, como opção ou dependendo da linha de equipamentos.

A mudança visual mais marcante na parte traseira do novo Polo GTI são as luzes traseiras de LED recém-projetadas com luz de freio animada e indicadores dinâmicos integrados, que indicam uma mudança de direção com movimentos leves fluidos. O novo pára-choque específico do GTI dá ao carro esportivo compacto uma presença visual ainda mais ampla e dominante nas estradas. O Adaptive Front Lighting System (AFS), que é integrado na lateral do pára-choque e controlado pelos faróis principais, foi redesenhado e agora oferece um efeito de iluminação ainda mais conciso.

Em combinação com os faróis de matriz IQ.Light – LED, fornece uma iluminação muito homogênea da estrada e arredores. O impressionante logotipo vermelho da GTI na grade do radiador, as grades de ventilação em forma de favo de mel, e a faixa de acabamento vermelha contínua acima da faixa de luz LED de circulação diurna permanece a insígnia GTI característica na frente mais nítida do carro. À direita e à esquerda, ele flui para o IQ.Light – faróis de matriz LED com winglets vermelhos.

O novo Polo GTI está disponível em cinco cores: Deep Black Pearl Effect, Smoke Grey Metallic, Kings Red Metallic, Pure White Uni e Reef Blue Metallic. As últimas três cores de chassis podem ser combinadas com um tejadilho preto contrastante como opção (Roof Pack). O carro vem com rodas de liga leve de 17 polegadas como padrão. O Polo GTI também pode ser pedido com ligas opcionais de 18 polegadas.

As colunas e o forro do teto são sempre mantidos na cor de acabamento Titanium Black, que é típica do GTI. Costura de contraste vermelho também é sempre uma característica típica de um GTI. Ele adorna o volante esportivo multifuncional em couro, que vem de série, o acabamento da alavanca de câmbio e as superfícies dos bancos. O sistema de som beats opcional, com 300 watts e seis alto-falantes, proporciona uma experiência acústica cativante. O amplificador está localizado sob o piso na área de carga variável para economizar espaço. A capacidade de bagagem do novo Polo GTI é de 351 litros.

Fonte: car.blog.br

VW APRESENTA A T7, A “KOMBI DE LUXO”

Foi apresentada na Europa este mês a Volkswagen Multivan T7, van destinada a assumir a posição que um dia pertenceu à Kombi – icônico utilitário produzido no Brasil entre 1957 e 2013 e, ainda hoje, um dos veículos mais populares em nosso País. Nova geração terá uma versão híbrida plug-in e preço inicial estimado em 50 mil euros (aproximadamente R$ 300 mil). 

É muito difícil se encontrar um brasileiro, com mais de – digamos – 25 anos de idade, que nunca tenha andado em uma Kombi. E impossível encontrar outro que, minimamente interessado em carros, não conheça o modelo, pelo menos de vista.  

Mas, enquanto em nosso mercado o carro atravessou seus 56 anos de vida com relativamente poucas alterações, lá fora, evoluiu muito, especialmente a partir dos anos 1970.  

Atualmente, na Europa, a herdeira da Kombi se chama T6.1 (o T é de Transporter), e é vendida em diferentes configurações, para carga e passageiros – picape, furgão e van, entre essas, a Califórnia, a preferida pelos adeptos do camping. 

Segundo a VW, mesmo depois que a nova Multivan chegar às lojas, a T6.1 vai continuar sendo produzida, com foco em uso comercial – seu preço é mais baixo (e competitivo) que o da futura irmã caçula, com versões furgão a partir de cerca de 23 mil euros. 

Nova plataforma, novo portfólio 

Os motivos para essa diferença de preço começam na plataforma. A da versão atual já é usada há pelo menos 10 anos, enquanto da nova T7 é a MBQ, criada mais recentemente para a nova geração de modelos da marca. E, claro, continuam no custo das novas tecnologias que serão embarcadas. 

O plano é que, já no primeiro semestre de 2023, a VW passe a ter três diferentes “Kombis” em seu portfólio: a nova Multivan T7 (em versões para passageiros), a antiga T6.1 (para o trabalho) e a ID.BUZZ, modelo totalmente elétrico que também homenageia as linhas originais do “pão de forma” clássico. 

A Multivan T7 estará disponível inicialmente apenas com tração dianteira. Os motores serão um 1.5 TSI (turbo) de 136 cv de potência, o “nosso” conhecido 2.0 TSI, com 204 cv e ainda um 2.0 diesel TDI, de 150 cv. Todas as versões serão equipadas com câmbio de dupla embreagem DSG com sete marchas. 

Para um pouco mais adiante, é tido como certo o lançamento também de uma nova versão do utilitário, com tração nas quatro rodas (4Motion), provavelmente a diesel. 

A grande novidade, no entanto, é a versão híbrida plug-in (que pode ser ter suas baterias carregadas em uma tomada). Ela contará com um motor 1.4 TSI de 150 cv e outro elétrico, com potência equivalente a 115 cv, chegando aos 215 cv de potência combinada.  

Recursos de carro moderno 

Por dentro, a T7 está mais para um confortável veículo de passageiros que para um “operário padrão”. O painel segue o padrão da atual linha Volkswagen, com informações configuráveis em uma tela digital (TFT). Curiosamente, os comandos do câmbio não estão em uma alavanca, no console, mas em botões, no painel. 

Há uma grande tela sensível ao toque para a central de multimídia, por meio da qual também é possível controlar algumas funções do carro e, claro, a conectividade com smartphones e serviços disponíveis pela internet. Além disso, há detalhes moderninhos, como frisos de led azul destacando o desenho de painéis e portas. 

O sistema de ar-condicionado é do tipo “multizone”, com saídas e regulagens específicas para as diferentes partes e fileiras de bancos do carro. E todos os recursos tecnológicos de segurança presentes nos atuais modelos da VW – como assistente de faixa, controle automático de distância, faróis em LED que evitam o ofuscamento etc. – estão lá também. 

Entre os opcionais, há teto solar panorâmico e som Harman Kardon de 640w, com 14 alto-falantes. 

Sala de visitas sobre rodas

O que mais chama a atenção no interior da van, porém, é sua flexibilidade, voltada para o uso e conforto dos ocupantes – motorista e seis passageiros. Os dois bancos da fileira intermediária, por exemplo, podem ser girados para os lados e para trás.  

No espaço central, há um corredor, que permite que se troque de lugar entre as três fileiras. Nesse mesmo corredor, é possível montar uma pequena mesa escamoteável, que pode atender tanto aos bancos do meio quanto os de trás, transformando o espaço em uma sala para trabalho ou lazer. 

A certa altura, no começo deste século, chegou-se a cogitar a produção de vans da Volkswagen na fábrica de caminhões da empresa em Resende, RJ. A Transporter, no entanto, só veio para cá importada, e assim mesmo por pouco tempo.  

Por enquanto, não há previsão, nem para a importação nem para a produção desses veículos por aqui – assim como tampouco para os EUA. Ao que parece, essa “nova Kombi” será restrita à Europa, com valor inicial estimado em cerca de 50 mil euros.  

Fonte: Icarros

VIDA LONGA AO MOTOR DO SEU CARRO

Para evitar a aposentadoria antecipada do motor de seu carro, basta seguir uma rotina simples de manutenção e adotar alguns comportamentos que vão lhe poupar muito dinheiro a médio e longo prazo.

Na maioria das vezes, carros dão sinais claros de que algo não vai bem – e a saúde deles depende de sua atenção. Não há mágica: motores vivem mais se o dono for cuidadoso. Veja aqui o que você pode fazer por ele.

1 – Não aqueça o motor antes de começar a rodar

Ao sair pela manhã ou quando o carro estiver frio, não precisa gastar alguns minutos em marcha lenta. Prefira essa rotina: entre no carro e ligue o motor, coloque o cinto e verifique os ajustes do assento e espelhos. Pronto – esses 30 segundos bastam e seu carro está pronto para começar a rodar. Mas ainda estará frio. Rode com suavidade até que o motor atinja a temperatura ideal de funcionamento.

2 – Evite acelerações bruscas

Acelerar no trânsito como se você estivesse numa prova de ¼ de milha toda vez que o semáforo abre não vai lhe ajudar a chegar mais rápido no destino. Mas é o caminho mais breve para antecipar uma parada na oficina. Ser brusco no acelerador é um dos hábitos mais danosos para a saúde do automóvel.

No trânsito, o motor tende a trabalhar muito quente e esse tipo de condução aumenta ainda mais a temperatura do conjunto. Sobrecarrega o sistema de arrefecimento, juntas e correias, por exemplo.

3 – Filtros (de ar e óleo) são baratos. Retífica é cara

Economizar nesses dois filtros é a pior decisão que você pode tomar. Troque o filtro de óleo toda vez que esgotar o fluido – nada de alternar troca sim, troca não. É uma peça barata demais, considerando sua importância no bom funcionamento do propulsor.

O mesmo vale para o filtro de ar: substitua sem dó. Nada de “bater um ar”, aspirar, lavar. No jargão financeiro, é o que se chama de “economia porca”.

4 – Escolha o local certo para trocar o óleo

Vinho ruim dá dor de cabeça. Óleo de origem duvidosa também. Se o fabricante recomenda óleo sintético (geralmente mais caro), use o sintético. Não misture com óleo mineral. Prefira gerações mais novas do fluido, com poder de detergência de classe SL, no mínimo.

Poupe seu dinheiro: óleos modernos, de qualidade, não precisam de aditivos. Siga o manual e antecipe trocas do fluido se você rodar por muito tempo em regimes severos (como trânsito ou áreas poluídas/empoeiradas).

5 – Faça manutenção preventiva

Aquele livrinho que acompanha o veículo, esquecido no fundo do porta-luvas, é seu aliado. Precisa ser lido. Ele descreve os intervalos de manutenção e itens a serem checados conforme a quilometragem do carro.

Peças de desgaste natural precisam ser trocadas: velas e cabos, bateria, correias, rolamentos, fluidos – mantenha tudo isso em dia e seu motor poderá trabalhar tranquilamente mesmo quando o hodômetro tiver seis dígitos altos.

E por último, procure sempre uma empresa com profissionais capacitados para cuidar do seu carro.

Fonte: QuatroRodas

MAIOR PICAPE DA TOYOTA NO MUNDO É REVELADA

A nova geração da Tundra teve imagens vazadas nos últimos dias; para “se vingar”, a marca revelou a primeira foto oficial da picape

Na última semana, algumas imagens da nova Toyota Tundra, a maior picape vendida pela marca no mundo, vazaram na web. Uma das teorias é de que as fotos tenham se espalhado após serem reveladas aos concessionários americanos.

 Porém, a marca não apenas não se sentiu incomodada, como ainda encontrou uma forma de sair por cima com o “problema”, revelando uma foto oficial da caminhonete para acabar com as especulações.

 A primeira aparição do modelo foi em um post da Toyota nos Estados Unidos no Twitter. Junto da imagem, a marca escreveu que “algumas pessoas não sabem como guardar um segredo”, seguido de um link para um site dedicado à Tundra.

Por enquanto, apenas duas fotos são oficiais: a da dianteira da picape, que você vê na abertura desta matéria, e um detalhe do novo motor que a equipará, que está logo abaixo.

Revelada na versão mais extrema, a TRD Pro (como é possível notar no aplique lateral do capô), a nova Tundra adotou linhas mais modernas e elaboradas para brigar com as rivais Chevrolet Silverado, Ford F-150 e RAM 1500.

Os faróis, totalmente iluminados por LEDs, parecem descer em direção ao para-choque junto a uma entrada de ar. A grade toma conta de cerca de 70% da dianteira do modelo, com um visual contínuo da base do capô até a base do para-choque.

Por falar na grade, ela abriga diversos pontos luminosos, como os três alaranjados próximos ao capô, além de outros dois pontos no para-choque. Na parte central, abaixo do nome Toyota em letras garrafais, há mais uma barra de LEDs, possivelmente para longo alcance.

De lado, as rodas têm desenho que aparentam robustez e os plásticos utilizados nos para-lamas (assim como em uma faixa da grade dianteira) têm estampas irregulares. Na traseira, a única imagem disponível, e que foi vazada, mostra que a versão TRD Pro tem sua identificação em baixo relevo na tampa e que as lanternas ficam bem recuadas nas laterais.

O único detalhe mecânico revelado até agora é que a picape será equipado com um novo motor da linha iForce Max que, segundo a Toyota, terá desempenho “heroico”. No modelo atual, o motor V8 5.7 entrega 381 cv, mas executivos da marca já confirmaram que o novo será ainda mais potente e que terá, como opcional, uma unidade com números que deixarão todos “boquiabertos”.

 Rumores apontam que a Tundra poderá usar até mesmo os novos motores V6 turbinados do recém-apresentado Land Cruiser, que chegam a 412 cv. De qualquer forma, todos os detalhes só serão conhecidos quando a marca apresentar a nova geração da picape por completa. Isso poderá acontecer já nos próximos dias.

Fonte: QR Quatro Rodas

NOVA FORD MAVERICK

A Ford enfim revelou a Maverick, picape monobloco que vem para ficar abaixo da Ranger em sua linha: ela está mirando consumidores que nunca tiveram uma picape e oferece uma transição entre os SUV médios e as picapes tradicionais com chassi. Mesma fórmula que fez sucesso no Brasil com a Fiat Toro.

A Maverick adotou um desenho mais quadrado, no estilo da grandalhona F150. A dianteira vertical e o para-brisa pouco inclinado dão um ar mais rústico quando comparada com a Fiat Toro e seu design mais arredondado.

Nos EUA três modelos serão disponíveis: a de entrada XL, com rodas de aço estampado e voltada para o trabalho; a intermediária XLT; e a topo de linha Lariat.

linha ford maverick
A nova picape oferece três modelos diferentes nos EUA

O carro que habita na Maverick

A plataforma da picape Maverick é a C2, a mesma usada pelo Bronco Sport, Escape e Focus. Essa arquitetura é moderna, modular e já prevê eletrificação. A picape é o maior veículo feito nessa plataforma.

A suspensão dianteira da Maverick é do tipo McPherson, e na traseira existem duas opções: um eixo de torção para as versões de tração dianteira e uma multilink para as versões com tração integral.

Para os consumidores que não querem entrar no mundo das picapes por receio do consumo de combustível a Ford oferece uma motorização híbrida. O motor a combustão é o 2.5 aspirado que funciona no ciclo Atkinson, produzindo 164 cv e 21,4 kgfm, auxiliado por um motor elétrico de 94 kW e 23,9 kgfm, totalizando 193 cv. O torque combinado não foi divulgado. a transmissão é CVT.

Já o motor para quem exige mais desempenho da Maverick é o 2.0 EcoBoost, com 253 cv e 38,2 kgfm, acoplado a transmissão automática de 8 marchas. Mesmo conjunto do Bronco Sport.

A parte picape da Maverick

Hoje nos EUA existe uma competição entre os fabricantes de quem consegue trazer mais soluções para a caçamba das picapes. A Maverick entra nessa briga trazendo algumas ideias inteligentes para ajudar tanto quem vai trabalhar com a picape quanto quem vai usá-la para o lazer.

Para o trabalho a caçamba da Maverick conta com quatro ganchos de amarração no assoalho, dois na tampa da caçamba, um trilho em cada lateral do compartimento com um gancho em cada e furos nas laterais da caçamba para prender acessórios. A caçamba vem com iluminação em LED.

A caçamba também conta com vãos na lateral da caçamba onde é possível encaixar tábuas para segmentar a caçamba. Na lateral da caçamba também existe uma tampa que esconde um porta-objetos e uma tomada de 110 volts. Para quem pretende usar a Maverick para o lazer a caçamba oferece o abridor de garrafas que vimos no Bronco Sport.

Quando equipada com o pacote FX4, disponível apenas para a Maverick com tração integral, é acrescentada uma suspensão mais alta voltada para o fora de estrada. O pacote inclui amortecedores especiais e rodas de 17 polegadas com pneus de uso misto.

Medidas: Maverick X Toro

Ao analisar a ficha técnica fica claro que a Ford mirou na Fiat Toro como concorrente, apesar da Maverick ser apresentada nos EUA. A picape da Ford é um pouco maior em comprimento e no entre-eixos, porém em largura e altura se equivale. As medidas maiores da Maverick  parecem ter ido para a caçamba, onde o volume é maior. Confira na tabela abaixo:https://c7d9b06ed797b15870b0e9e1c49cbbc4.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

MedidaFord MaverickFiat Toro
Comprimento5,07 m4,94 m
Entre-eixos3,07 m2,99 m
Largura1,83 m1,84 m
Altura1,74 m1,73 m
Ângulo de entrada20.6˚FWD/21.6˚AWD25,7˚
Ângulo de saída21.9˚FWD/21.2˚AWD28,4˚
ângulo central16.6˚FWD/18.1˚AWD21,7˚
Vão livre21 cm FWD/21,8 cm AWD25,9 cm

Capacidades: Maverick X Toro

A Ford Maverick oferece uma caçamba levemente maior que a da Toro, porém perde na capacidade de carga para a rival ítalo-mineira. Isso é reflexo do projeto feito nos EUA, onde a capacidade de carga na caçamba não é prioridade nas picapes e sim a capacidade de reboque.

Na apresentação da Maverick ,a Ford fez questão de destacar a o pacote 4K, que aumenta a capacidade de reboque de 907 kg para 1.814 kg. A Fiat divulga apenas a capacidade de reboque sem freio, que é de 400 kg.

MedidaFord MaverickFiat Toro
Volume da caçamba943 litros937 litros
Capacidade de carga680 kg750 kg (1.3 turbo) 1.000 kg (2.0 diesel)

Interior de SUV

Por dentro, o parentesco com os carros de passeio fica mais evidente: o painel conta com a central multimídia de 8 polegadas em destaque no topo. O painel de instrumentos é analógico, mas conta com uma grande tela com informações complementares. O utilitarismo das picapes aparece em um nicho atrás dessa tela e outro ao lado dela.

O assento do banco traseiro pode ser rebatido, revelando um porta-objetos grande. Ele também inclui um novo sistema de fixação desenvolvido para a picape que permite encaixar diferentes acessórios. O fabricante irá divulgar os diagramas desse sistema de fixação para que os consumidores possam criar seus acessórios em impressora 3D.https://c7d9b06ed797b15870b0e9e1c49cbbc4.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.htmlPrevious

ford maverick hybrid xlt 82
Interior da versão XLT conta com opção de tecido cinza-azulado. Detalhes em laranja dão contraste para a cabine
ford maverick lariat 2
Na versão Lariat o couro é marrom, mas com acabamento diferente do usado no Bronco Sport
ford maverick hybrid xlt 12
Central multimídia com tela de 8 polegadas traz um porta-objeto ao lado
ford maverick lariat 433
Sob o banco traseiro vem um bagageiro útil
ford maverick hybrid xlt 32
Apesar de simular uma tela, o painel de instrumentos é analógico. Modelo da foto é o XLT, no Lariat a tela multifuncional é maior
ford maverick lariat 3
Atrás de central vem outro porta-obejtos
ford maverick lariat 37
Console conta com carregador por indução e também com um nicho para o celular ficar em pé, facilitando a consulta
ford maverick lariat 59
Acabamento no painel de porta possui textura tridimensional, porém o material é descrito pela ford como “funcional e fácil de limpar”
ford maverick lariat 416
Espaço no banco traseiro é adequado para adultos, mas não espere o espaço para pernas de um Territory

Em equipamentos a Maverick, oferece o conjunto completo das tecnologias mais recentes da Ford: Sistema Ford Co-Pilot, que inclui sistema pré-colisão, frenagem autônoma de emergência e faróis alto automáticos. Cruise control adaptativo com Stop & Go, alerta de pontos cegos, assistente para manter na faixa de rolagem e cinco modos de condução diferentes estão disponíveis também.

E para o Brasil?

A produção da Maverick é na fábrica de Hermosillo, no México, mesmo lugar de onde vem o Bronco Sport. E assim como o SUV, a picape Maverick foi projetado com o nosso mercado em mente e não deve demorar a chegar ao Brasil.

ford f series ford ranger ford maverick
Nova Maverick junto das irmãs maiores, mostrando a semelhança com a Série F

A Ford Maverick é um pilar importante na nova fase da Ford como importadora na Brasil e tem previsão de chegar no início de 2022. A motorização 2.0 turbo fica acima dos motores 1.3 turbo e 2.0 diesel da Fiat Toro em potência e torque, mas a picape fabricada no Brasil deverá trazer vantagem no consumo com o motor diesel. Por outro lado, a Maverick híbrida traz o consumo como principal destaque.

Será que a caçamba maior e as motorizações diferentes da Ford Maverick serão capaz de ameaçar o reinado da Fiat Toro?

Fonte: autopapo.uol.com.br/

CONHEÇA AS GERAÇÕES DO TOYOTA COROLLA

Automóvel mais vendido do mundo em 2019, o Toyota Corolla é desejado em todo o planeta. No Brasil, isso não é diferente. O modelo figura entre os carros mais vendidos do país, mesmo com preços a partir de R$ 100 mil.

Vendido no Brasil desde a década de 1990, o Corolla já está em sua 12ª geração. O WM1 listou todas as gerações do sedã para saciar um pouco da curiosidade dos fãs. Confira a história do Toyota Corolla!

As 12 gerações do Corolla

1ª geração (1966-1970)

1967 Toyota Ke10 Corolla
Primeiro Corolla era pequenino e tinha motor 1.1

Muita gente não sabe, mas o Corolla foi lançado em 1966! Pequenino, o modelo tinha apenas 3,85 m de comprimento e apenas duas portas. O motor era 1.1 de 60 cv de potência. Simpático, não é?

2ª geração (1970-1974)

Toyota Corolla Sprinter
Segunda geração estava disponível em vários tipos de carroceria

Lançada em 1970, a segunda geração do Toyota Corolla precisava manter o bom desempenho nas vendas. Para isso, o modelo cresceu quase 10 centímetros, e chegou aos 3,94 m de um para-choque ao outro. Disponível em diversas carrocerias, como hatch e station wagon, teve até versão esportiva!

3ª geração (1974-1979)

1975 Toyota Ke30 Corolla
A terceira geração priorizou a carroceria sedã, que faria sucesso anos mais tarde

Primeira geração que fez sucesso em outro canto do mundo, que não fosse o Japão, a terceira encarnação do modelo começava a dar indícios da carroceria em que faria mais sucesso entre as gerações do Toyota Corolla: a sedã. Foi a primeira a ter opção de câmbio automático de três marchas.

4ª geração (1979-1983)

Toyota Corolla Sedan 850
Quarta geração mostrou para o mundo o potencial dos carros japoneses e fez sucesso

Em 1979, a quarta geração do Corolla chegava para romper a barreira dos quatro metros de comprimento. Mais de meio milhão de unidades foram exportadas para Europa e Estados Unidos, onde o carro fazia bastante sucesso pelo luxo e economia de combustível.

5ª geração (1983-1987)

Toyota Corolla Sedan 955
Com design um pouco sem sal, quinta geração ficou marcada por começar a utilizar tração dianteira

Em comemoração aos 10 milhões de unidades produzidas, a quinta geração foi lançada em 1983. Com visual quadradinho, como a moda da época, o modelo foi o primeiro a ter tração dianteira entre as gerações do Toyota Corolla.

6ª geração (1987-1991)

1991; Toyota; Corolla
Exportado para os EUA, o Corolla começou a prejudicar as vendas dos carros americanos pelo custo-benefícioCrédito: Divulgação

Última geração não vendida no Brasil, a sexta fase do Corolla tinha até uma versão com tração 4×4 e motor turbodiesel, dá pra acreditar?

7ª geração (1991-1995)

7 Corolla
Primeiro Corolla a ser vendido no Brasil ficou conhecido pela robustez

Primeira geração lançada no Brasil, em 1991, o sétimo Corolla tinha linhas mais arredondadas e já chegava para concorrer com o seu eterno rival no Brasil e no mundo: o Honda Civic.

8ª geração (1995-2000)

9 Corolla
Primeiro Corolla brasileiro começou a ser produzido em 1998Crédito: Divulgação

Desejado pelo conforto e robustez, o oitavo Corolla deixou de chegar ao Brasil importado e foi o primeiro produzido em Indaiatuba, interior de São Paulo. Apenas na carroceria sedã, o modelo tinha visual diferenciado do modelo vendido no mercado japonês.

9ª geração (2000-2006)

Toyota Corolla Altis 93
Nona geração do Corolla tinha como chamariz o ator Brad Pitt

Uma das gerações mais adoradas no Brasil, a nona geração do Corolla chegou com muita moral. Tinha ninguém mais, ninguém menos, que Brad Pitt como garoto propaganda. Vendeu muito e até hoje é reconhecida pela sua robustez.

10ª geração (2006-2013)

Toyota Corolla 493
Robustez e conforto continuaram a impulsionar o Corolla, mesmo quando seu rival era mais atraente

Produzido na mesma plataforma do Corolla “Brad Pitt”, essa geração sofreu com a concorrência do modernoso Honda New Civic. Seu conforto e robustez, porém, fizeram com que as vendas continuassem muito bem..

11ª geração (2013-2019)

Toyota Corolla E170 17
Vendas das 11ª geração eram maiores do que as de muitos carros compactos, bem mais baratos

Com um desempenho de vendas impressionante, a décima primeira geração do Corolla surpreendia pelos números mensais. O modelo figurava entre os dez carros mais vendidos do Brasil com frequência, apesar de custar o dobro que os outros representantes da lista.

12ª geração (2019 – atualmente)

Comparativo Toyota Corolla Flex E Híbrido 12
Geração mais recente do Corolla tem versão híbrida e bastante econômica

Lançada no fim de 2019, a nova geração do Corolla é revolucionárai. Tem até uma versão híbrida, que o WM1 comparou com a versão a combustão normal, para saber qual a que vale mais a pena.

Fonte: webmotors

LIVE SHOW AMERICAN CAR

Foi realizada no último dia 29/05 (sábado) a Live Show American Car. A dupla patense Mateus Ferraz e Thiago cantou seus maiores sucessos, além de relembrar os grandes sucessos da nossa festa maior, a Fenamilho.

“Como nós sempre fomos parceiros da fenamilho e em tempos normais era para ela estar acontecendo, nada mais justo que fazer essa homenagem, com todos os protocolos de segurança, e também comemorar os resultados do nosso feirão de seminovos”.

Agradecemos aos nossos grandes parceiros: Onnet Telecom, Setta Iluminação, Mateus Ferraz e Thiago, Coopatos, Delux Store e Mixologist Gin. Fiquem atentos para nossas novas atrações! Acompanhe a American Car nas redes sociais e fique por dentro!!.

Enviar mensagem